quarta-feira, 5 de julho de 2017

Governo Temer/PSDB gasta R$ 60.000.000,00 com propaganda para reforma da Previdência para convencer tirar aposentadoria do povo

Dados foram obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação. Publicidade faz terrorismo e não explica detalhes da reforma
 04/07/2017 12h41 - atualizado às 19h38

Governo Temer/PSDB gasta R$ 60.000.000,00 com propaganda para reforma da Previdência,para convencer tirar aposentadoria do povo
governo golpista de Michel Temer gastou quase R$ 60.000.000,00 (60 milhões) em publicidade para tentar elevar a popularidade e ganhar aceitação da população sobre a reforma da Previdência. Os dados são oficiais, obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação.
reforma da Previdência tramita no Congresso Federal por meio da PEC 287, mas foi rejeitada pela população. Desde o início do ano, foram inúmeras manifestações e greves contra o desmonte promovido por Michel Temer (PMDB). Segundo o Datafolha71% dos brasileiros rejeitam a proposta. Para tentar ganhar apoio, o governo lançou mão de campanha na televisão, rádios e outdoors – em plena crise fiscal. 

Para comparação, R$ 60 milhões é mais da metade do dinheiro que a Polícia Federal afirma necessitar para normalizar a emissão de passaportes  (R$ 103 milhões, segundo o jornal Folha de S. Paulo).
Segundo os dados do governo, até 23 de junho, a Secretaria de Comunicação gastou cerca de R$ 46 milhões com mídia (compra de espaço publicitário em veículos de comunicação), e cerca de R$ 2 milhões com a produção das propagandas sobre a reforma. O Ministério do Turismo também gastou R$ 4,6 mi com mídia, e R$ 166 mil em produção. E o Ministério do Esporte gastou R$ 6,6 mi com mídia e R$ 32 mil na produção. Ao todo, foram R$ 59,2 milhões.
O mote da publicidade governamental usa de “terrorismo”e afirma que se o sistema previdenciário não for reformado, ele quebra. A propaganda cita números questionados por alguns economistas por não considerar contribuições previstas na Constituição para financiar o sistema previdenciário. Além disso, ignora a informação de que a Previdência urbana só passou a ter déficit em 2016, após a crise econômica que impactou a arrecadação. De 2009 a 2015, o sistema previdenciário foi superavitário.
A publicidade governamental tampouco explica os detalhes da reforma. Por isso, foi questionada na Justiça. Ação coletiva de diversos sindicatos do Rio Grande do Sul pediu a suspensão da publicidade, por considerar que, ao contrário do que prevê a Constituição, a propaganda do governo não tem um caráter educativo, informativo ou de orientação social. Segundo a ação, ela visa apenas “angariar apoio popular a um projeto do Governo Federal – cujo teor não é divulgado nas peças”.
Segundo a peça,  a estratégia de comunicação do governo “baseia-se na difusão de medo, insegurança e incertezas na população”. O processo obteve vitória em primeira instância, e uma liminar pediu a suspensão da publicidade. Mas o STF acatou recurso da defesa e derrubou a decisão, liberando a propaganda.
“As peças publicitárias repetem frases de efeito e expressões como “rombo”, “a conta não fecha”, “vai quebrar”, “vai acabar”, impondo medo na população e, em verdade, promovendo a desinformação de quem assiste e/ou lê os anúncios, uma vez que ausentes quaisquer dados e informações concretos”, diz a ação.
Por Clara Roman, da Agência PT de Notícias

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Michel Temer (PMDB) recebe aposentadoria de R$ 22.000,00 mensais do governo de SP por cargo que ocupou por apenas 1 ano

size_810_16_9_vice-presidente-michel-temer
De acordo com o Portal da Transparência do Estado de São Paulo, Michel Temer recebe mensalmente uma aposentadoria de R$ 22.109,94 líquidos pelo cargo de procurador do Estado – função que ocupou por um ano (1983-1984) durante a gestão Franco Montoro (PSDB).
Para ter acesso à informação basta clicar aqui e procurar por “Michel Temer” ou vejam abaixo caso os parceiros dele Alckmin e Dória apaguem :

Michel Temer (PMDB) recebe aposentadoria de R$ 22.000,00 mensais do governo de SP por cargo que ocupou por apenas 1 ano


 


Confira parte da biografia:

UOL: Michel Miguel Elias Temer Lulia formou-se em direito pela USP (Universidade de São Paulo) em 1963, logo exercendo o cargo de procurador do Estado de São Paulo em 1970. Em 1983, o então governador Franco Montoro (1983-1987) designou-o para ocupar a Procuradoria Geral do Estado. No ano seguinte, Michel Temer tornou-se secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, mas exonerou-se para concorrer nas eleições para deputado federal constituinte pelo PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro).

domingo, 4 de junho de 2017

Vídeo Censurado: Por detrás dessa Reforma da Previdência, está o interesse do sistema financeiro dos banqueiros, afirma Procurador da Fazenda

Por detrás dessa Reforma, está o interesse do sistema financeiro dos banqueiros, afirma Procurador da Fazenda

Vídeo acima misteriosamente cenurado como na ditadura Pelo Youtube atendendo a interesses de bancos anunciantes do Google, Temer que joga milhões da Previdencia em publicidade na mídia  e o governo americano, vejam abaixo outro no Facebook

terça-feira, 30 de maio de 2017

Governo Temer/PSDB usa dinheiro do povo para comprar Reforma da Previdência e a Globo não te diz nada


Governo Temer/PSDB usa dinheiro do povo para comprar Reforma da Previdência e a Globo não te diz nada

Do Blog Blog do Sakamoto

O governo Michel Temer vai acelerar a liberação de emendas parlamentares para deputados federais que se comprometerem a votar a favor da Reforma da Previdência. Esses recursos são usados em propostas apresentadas pelos parlamentares a fim de beneficiar suas bases eleitorais.


A solicitação de emendas para atender demandas justas da população faz parte da democracia. O problema é quando o processo de sua liberação inclui tomaladacás.


Confira também,o Audio do Presidente Temer que quer tirar sua aposentadoria com dono da JBS

A tática não é nova, pelo contrário, foi sistematicamente utilizada por todos os governos até aqui. O interessante desta vez é que ela tem o objetivo claro de compensar o prejuízo eleitoral que os deputados terão ao votar a favor da reforma. Ou seja, torcer para que o povo fique tão feliz com um esperado asfaltamento de rodovia vicinal que se esqueça que vai se aposentar mais para frente. Isso é outro reconhecimento de que a proposta está sendo tocada à revelia da maior parte da população.

De acordo com a última pesquisa Datafolha, divulgada no Dia do Trabalhador (01/05), 71% da população brasileira é contra a Reforma da Previdência. Pesquisa Vox Populi havia apontado que 93% rejeita o aumento da idade de aposentadoria para 65 anos e do tempo mínimo de contribuição para 25 anos. Ao mesmo tempo, levantamento coordenado pelos professores Pablo Ortellado e Marcio Moretto (USP) e Esther Solano (Unifesp), mostrou que 74,8% dos manifestantes que foram à avenida Paulista chamados pelos movimentos pró-impeachment para apoiar o ato de combate à corrupção do dia 26 de março também se declarou contra essa reforma.
Continue lendo no Blog do Sakamoto

quarta-feira, 17 de maio de 2017

VÍDEO: em protesto contra reformas da Previdência e Trabalhista, deputado Marcelo Castro (PMDB/PI) chuta manifestante

Chamado de golpista, deputado Marcelo Castro foi cercado por manifestantes contrários às reformas da Previdência e trabalhista, conforme mostra vídeo, Foi um chute “ao vento”, diz assessoria do parlamentar. Não foi. O vídeo Mostra O deputado Marcelo Castro (PMDB-PI) foi vaiado e hostilizado por um grupo de manifestantes que o aguardava no Aeroporto Petrônio Portella, em Teresina. Chamado de bandido e golpista, ele reagiu com chute em uma manifestante, conforme mostra vídeo publicado na internet.

“Vai votar na reforma da Previdência, vai! Vai votar na reforma trabalhista, vai! Vai votar contra o povo?”, questionou um manifestante.

“Já votei”, respondeu o peemedebista.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Enquete do PMDB, de Temer, mostra que 96% são contra reforma da Previdência

Previdência: 96% são contra reforma em enquete do PMDB

Enquete do PMDB, de Temer, mostra que 96% são contra reforma da Previdência

O PMDB, partido do Michel Temer, realizou uma enquete em seu site e o resultado atesta a impopularidade da reforma da Previdência, que o Palácio do Planalto e o Congresso Nacional vêm tentando aprovar a toque de caixa.

Entre as mais de 38 mil pessoas que responderam ao questionamento do partido, apenas 2% às favoráveis às mudanças propostas por Temer. A quase totalidade - 96% - é contra a reforma, enquanto 1% afirma não ter conhecimento do texto aprovado na Comissão Especial da reforma, na Câmara, e 1% prefere não opinar.

Nesta segunda-feira (15), Temer disse esperar que a votação da reforma da Previdência no Congresso ocorra “o mais rápido possível” e que os líderes partidários têm feito constantemente levantamentos para verificar qual será o melhor momento para a votação. “Só se leva a plenário tendo 320 ou 330 votos garantidos, de forma a obtermos os 308 votos necessários”. “Talvez votemos no final de maio”, disse.
 Leia também: Luciano Huck no partido dos banqueiros...Depois de pedir samba enredo para escolas de samba carioca 
Fonte:Dos Amigos do Lula

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Comissão especial da Câmara aprova relatório de reforma da Previdência veja quem votou CONTRA e a FAVOR do fim da previdência


HAJA MILHÕES EM PUBLICIDADE COM DINHEIRO PÚBLICO PARA A GLOBO E AS OUTRAS TVs ILUDIREM O POVO
O PMDB de Michel Temer anunciou voto a favor do relatório. Encaminharam contra PT, PSB, PDT, SD, PCdoB, PHS, Psol, Pros e Rede. Deputada Jandira Feghali diz que governo não tem 308 votos no plenário
 São Paulo – Por 23 votos a 14, a comissão especial da Câmara dos Deputados que discute a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287, de "reforma" da Previdência, aprovou o parecer do relator, Arthur Maia (PPS-BA). O texto agora irá a votação em plenário. O presidente do colegiado, Carlos Marun (PMDB-MS), conduziu a sessão. Ao final da votação, deputados da oposição cantaram um refrão aos apoiadores do texto: “Ô traidor, pode esperar, a sua hora vai chegar”.
O PMDB de Michel Temer anunciou voto a favor do relatório. Encaminharam contra PT, PSB, PDT, SD, PCdoB, PHS, Psol, Pros e Rede. 
O relator manteve a idade mínima de 65 anos para obter a aposentadoria, no caso dos homens, e reduziu a das mulheres para 62 anos. O tempo mínimo de contribuição seria de 25 anos. Quem se aposentar receberá 70% do valor integral e terá acréscimo para cada ano trabalho, além dos 25 anos. 
A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) disse que o resultado da votação na comissão não significa nada, já que o governo só precisava de 19 votos para ganhar. "Mas no plenário são 308 e o governo não tem estes votos." Segundo a parlamentar, a greve geral da última sexta-feira )29_ pressionou ainda mais os deputados da base do governo. Com 23 a 14, a votação da PEC da Previdência em comissão especial foi mais apertada para o governo do que a trabalhista há duas semanas, quando os governistas venceram por 27 votos a 10.
“Prefiro a solução da CNBB, da OAB e de 80% do povo: manter a Previdência e cobrar dos mais ricos”, disse o deputado Henrique Fontana (PT-RS).
Marcus Pestana (PSDB-MG), aliado histórico do senador Aécio Neves (PSDB) em Minas Geais, reafirmou que seu partido vai votar a favor do relatório, mas ainda quer negociar questões como a aposentadoria por invalidez.
Antes de anunciar a posição do partido, o deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho (SD-SP), presidente da Força Sindical, disse que “não pode o governo imaginar que vai tirar o país da crise nas costas dos trabalhadores”.
Maia Filho (PP-PI) reconheceu a impopularidade da PEC 287. “Temos recebido uma pressão tremenda nos nossos estados. Não vou dizer que o povo brasileiro é a favor da reforma da Previdência”, disse. Mas “de forma tranquila, com convicção”, votou a favor da proposta. “Mesmo com as pesquisas e pressão, queria dizer uma frase de Rui Barbosa: ‘a todos os elogios do mundo, prefiro os elogios da minha consciência’".
“Estamos vendo um verdadeiro desfile de cara de pau para iludir o povo brasileiro”, discursou o deputado Bebeto (PSB-BA). “Esse projeto tem um viés, é para beneficiar a banca, para beneficiar banqueiros. É isso que o governo não tem coragem de dizer”, acrescentou, ao anunciar a posição do PSB, que já fechou questão contra as reformas da Previdência e trabalhista.

Como votaram os deputados da comissão especial

A FAVOR DO FIM DA PREVIDENCIA 
  1. Carlos Marun (PMDB-MS)
  2. Darcísio Perondi (PMDB-RS)
  3. Lelo Coimbra (PMDB-ES)
  4. Mauro Pereira (PMDB-RS)
  5. Adail Carneiro (PP-CE)
  6. Julio Lopes (PP-RJ)
  7. Maia Filho (PP-PI)
  8. Carlos Melles (DEM-MG)
  9. Pauderney Avelino (DEM-AM)
  10. Junior Marreca (PEN-MA)
  11. Vinicius Carvalho (PRB-SP)
  12. Prof VictorioGalli (PSC-MT)
  13. Alexandre Baldy (PTN-GO)
  14. Aelton Freitas (PR-MG)
  15. Bilac Pinto (PR-MG)
  16. Magda Mofatto (PR-GO)
  17. Reinhold Stephanes (PSD-PR)
  18. Thiago Peixoto (PSD-GO)
  19. Giuseppe Vecci (PSDB-GO)
  20. Marcus Pestana (PSDB-MG)
  21. Ricardo Tripoli (PSDB-SP)
  22. Arthur O. Maia (PPS-BA)
  23. Evandro Gussi (PV-SP)
CONTRA O FIM DA PREVIDENCIA 
  1. Givaldo Carimbão (PHS-AL)
  2. Arnaldo Faria Sá (PTB-SP)
  3. Paulo Pereira (SD-SP)
  4. Arlindo Chinaglia (PT-SP)
  5. Assis Carvalho (PT-PI)
  6. José Mentor (PT-SP)
  7. Pepe Vargas (PT-RS)
  8. Jandira Feghali (PCdoB-RJ)
  9. Eros Biondini (Pros-MG)
  10. Bebeto (PSB-BA)
  11. Heitor Schuch (PSB-RS)
  12. Assis do Couto (PDT-PR)
  13. Ivan Valente (Psol-SP)
  14. Alessandro Molon (Rede-RJ)